logo-amarello

Turma de 2017: Baiana System

Conheça Baiana System, músicos de Salvador/Bahia, 2009

Em 2017 a Tropicália completará 40 anos, o que nos fez pensar em quem seriam essas vozes hoje, que lá atrás pensaram e repensaram a cultura do nosso país.

“É muito difícil neste momento falar sobre qualquer sentimento em relação ao país e nossa cultura. Estamos tomados por um sentimento de desencanto e desesperança, de não saber em que acreditar e como vão ficar os descaminhos que tem se construído principalmente nesse ano que está acabando.

A Cultura passou por um momento muito importante de descentralização, distribuição de recursos, entendimento das relações entre os meios de produção/distribuição de um modo bem mais moderno e eficiente, etc. Mas agora, isso vem se perdendo com essa bolha de incertezas e falta de perspectivas.

Talvez o mais importante que esteja acontecendo na cultura hoje seja a aproximação entre os artistas na mobilização para mostrar suas riquezas e sua capacidade de transformar o que aí está. O importante do nosso trabalho é a capacidade de transformar, tocar as pessoas, e fazer com que a verdade do que cada um faz seja motivadora e inspiradora para todos. Voltamos muito o olhar para as nossas referências locais e tentamos relacionar isso com tudo que estamos conectados atualmente, com o que também nos toca no mundo, seja artisticamente, seja na política ou em qualquer aspecto desse momento confuso em que vivemos.

Temos tido inspirações voltadas para o entendimento da formação do nosso povo e como isso determina a nossa cultura como um todo. Temos um olhar otimista acima de tudo. Quando falamos de Duas Cidades falamos também de dois Brasis, dessa divisão que acontece em todas as cidades e também numa visão mais geral, onde as diferenças, as injustiças e as visões sobre o que queremos do país se dividem e se mostram de maneira muito forte. Nesse aspecto de entendermos nossa formação, achamos fundamental nos reconhecermos como mestiços e que isso é, além de um dado histórico, a força principal que temos para transformar o mundo. Nossa música lida com muitas referências, muitos aspectos dessa miscigenação. Se pudermos sonhar com algo que possamos construirmos juntos, que seja o Brasil se entender e se aceitar dessa forma. Aí estaremos caminhando para valorizar nossa vocação natural e sendo mais ho- nestos com nós mesmos.”

Em 2017, a Baiana System pretente lançar muitas novas músicas e clipes, e planeja voltar a fazer turnê fora do Brasil.

Compartilhe