Mulheres Possíveis

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Mulheres Possíveis

 

por Beatriz Cruz,
Letícia Olivares
Sandra Ximenez
Vânia Medeiros
fotos de Ierê Papá

Esta edição do projeto ganhou
o Prêmio Rumos – Itaú Cultural/2017-2019

O projeto Mulheres Possíveis, idealizado e desenvolvido pelas artistas Beatriz Cruz, Sandra Ximenez, Vânia Medeiros (Coletivo teatro Dodecafônico) e Leticia olivares (Coletivo rubro obsceno), existe desde 2016 na Penitenciária feminina da Capital.

Dentro dos muros da penitenciária, elas realizam proposições em diversas linguagens – performance, escrita, de- senho, culinária –, e o corpo é sempre o centro da experiência, num trabalho de pesquisa, formação e criação artística. a maioria das ações se dá com as mulheres que estão dentro, no que chamam de “laboratórios”, em que, coletivamente, realizam experimentos sobre narratividades através da palavra dita, ouvida, desenhada e do corpo em movimento. realizam também, algumas ações públicas, que buscam criar conexão, traçar linhas entre mulheres que estão dentro e mulheres que estão fora dos muros.

O escambo poético: corpo, gênero e encarceramento é uma delas. o escambo consiste em uma troca de cartas entre internas e mulheres que se inscrevem, através de uma chamada aberta, para se comunicar com elas. as cartas se compõem de palavras escritas, mas são também objetos de “artesania” própria, pessoal, afetiva, feitos de papel, retalhos de tecidos, fitas, cores. a “emoção do lidar” (expressão de Nise da Silveira para falar do fazer artístico) com esse material que acaricia as mãos ao toque faz parte da sensação transmitida nessa troca.

A proposta de intercâmbio de narrativas possíveis entre mulheres, apostando no olhar para a realidade e o cotidiano que todas vivem, com suas semelhanças, diferenças e especificidades, baseia-se em várias questões, dentre elas: “que mulheres você é?” e “o que nos separa?”. interessam as múltiplas vozes que ecoam entre lá e cá, as tessituras entre o íntimo e o coletivo que unem e diferenciam cada história de vida dentro e fora dos muros do cárcere. Desde que iniciaram o projeto, cada vez fica mais latente que a troca e a exposição das narrativas permitem que se rompam fronteiras de invisibilidade e silenciamento da população feminina carcerária – população que vem crescendo vertiginosamente nos últimos anos. Segundo o Levantamento Nacional de informações Penitenciárias de 2014, desde o ano 2000 houve um aumento de 500% no número de mulheres presas no Brasil.

Pensar sobre as mulheres que estão presas é pensar sobre todas as mulheres e a sua condição na sociedade brasileira hoje.

Eliane

Cara amiga, hoje eu estou aqui nessa “caixa preta”, que é como vejo esse lugar em que me encontro… Mas sei que é provisório e que logo estarei aí do lado de fora novamente. A saudade simplesmente me define! Foi uma grande emoção receber tua carta, simplesmente senti uma estima, um afeto, algo de alma mesmo, sabe? Vejo como uma verdadeira empatia. Digo a você que eu fiquei já imaginando nós nos encontrando e tenho certeza de que será como se estivéssemos apenas há um mês sem nos ver!

Cleude

Devorei os teus escritos! Sorvi cada palavra como quem toma um copo de água bem geladinha, após uma longa corrida. Logo todos os teus sonhos serão realizados, você estará ao lado do teu amor. Me senti conversando com você e ao ler que você é de Manaus me veio à mente o dia em que sobrevoei o encontro das águas. Te escrevendo, conversei com uma amada amiga, daquelas que a gente encontra e parece que sempre fez parte da vida da gente e amamos como irmã. Você foi minha companheira em muitos momentos durante os últimos dias. A tua linda e delicada carta permeava o meu pensamento e me fazia parar, pensar e sorrir. Obrigada!

Míriam

A vida é bela quando é envolvida na vida de outras pessoas. Obrigada por fazer parte da minha vida. Espero que essas pequenas linhas lhe encontrem com muito amor e carinho.

A minha maior força é o amor. Hoje eu tenho sede de dar muito amor.

Renata

Fiquei encantada com o desenho que você enviou, com as palavras doces e o poema. Achei bonitas tuas palavras, o verdejante de esperança, sua força, a raiz que é você mesma, o desabrochar. Coisa linda!

Mónica

Gracias por tu carta y siempre puedes preguntarme lo que tu desees. Y para mí, solo con el hecho de escribirme, preocuparte, ya eres parte de mí.

Olga

Me encantó tu carta, tu sobre es lindo! Es muy difícil encontrar un hombre con coraje para amarnos como somos, Mónica. No eres una basura. Por lo que escribiste, veo que eres una mujer muy fuerte. Espero tu carta con cariño.

Tanaka

I can’t believe I’m saying this but this place has made me a better person even though I want to get out as soon as possible. With music and dancing I feel connected to my kids, my country and my soul. I’m sure we can learn many things from each other. I hope that one day you’ll be able to read one of my poems in a published book. Fan your flame, don’t let your fire go out. Always remember this.

Claudia

I hope we can build something that help us both deal with our strengths and weaknesses. We started our encounter out here with some group dynamics that are the same as the ones they do with you women inside. We created this imaginary yet powerful connection with you, by visualizing the streets that lead us to you. We are closer than it seems.

Anísia

Queria poder inventar uma poção mágica para tirar toda a tristeza do meu coração. Lágrimas correm sobre meu rosto… é uma fase, vai passar. Só preciso encontrar forças para sobreviver a essa imensa barreira que está entre mim e mim mesma. Recebi seu abraço de conforto e isso me alegrou e amenizou o que estava sentindo. Obrigada! Eu caminho todos os dias do serviço até a cela. Vou prestar mais atenção quando caminhar com os pés no chão. Concordo que preciso de uma regeneração, mas por enquanto só nós duas sabemos disso. Vou fazer a lista que você me pediu:
1) Vi uma formiga no box da cortina do banheiro.
2) Vi a rua quando fui ao C.O.C.
3) Vi plantas lindas no jardim.
4) Vi minha amiga dançando.

Angela

Temos pontos em comum: gosto disso. Temos diferenças, gosto disso também. Vou falar uma coisa séria: tem coisa que a prisão ou o sistema não nos tira. É como se tivéssemos um lugar quase secreto, onde ninguém entra, e aí mora nosso melhor. Você sente algo parecido com isso?


Originalmente publicado na edição Travessia

Assine e receba a revista Amarello em casa

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Compartilhar