logo-amarello

Entrevista: Bruno Cosentino

Bruno Cosentinno fala sobre seu novo álbum: “Corpos são feitos para encaixar e depois morrer”.

Cantor fala sobre seu processo criativo em entrevista para Pérola Mathias e posa para performance fotográfica.

 

Bruno Cosentinno lançou, no final do semestre passado, seu novo álbum com o marcante título “Corpos são feitos para encaixar e depois morrer”. Pérola Mathias conversou com Bruno sobre seu processo criativo, sua visão de mundo e música na entrevista que você lê abaixo. Para acompanhar o papo, publicamos uma seleção de imagens feitas por Pérola no dia da entrevista.

 

PÉROLA: Bruno, você está lançando agora o seu terceiro disco, que chama Corpos são feitos para encaixar e depois morrer. Gostaria de saber de onde vem esse nome, essa ideia e o porquê.

BRUNO: Esse verso é de uma canção que se chama “Anti-história”. Eu a compus para o disco de voz e violão que gravei com o Marcos Campello. A ideia nesse disco com o Marcos era negar as minhas maiores verdades. Ainda na época estava lendo o “Ensaio sobre os medos e os fins”, do Viveiros de Castro, que trata da destruição ambiental do planeta. Fazia meses que não chovia e a cidade estava muito seca, então eu estava mergulhado nesse mood apocalíptico, ouvindo uns blues atravessados, como “Devil got my woman”, do Skip James, direto. Aí, como na pré-produção do Corpos eu não estava conseguindo dar unidade para o repertório, peguei a “Anti-história” e ela amarrou tudo, inclusive o verso que dá nome ao disco. É a última frase que se ouve –  corpos são feitos pra encaixar e depois morrer – Um amigo me disse que achava esse verso libertador. Eu acho bem o contrário, porque fazemos de tudo para nos fundir às pessoas, mas seremos sempre sozinhos, é nossa condição; pra mim isso é devastadoramente triste, porque sou um homem religioso.

 

P: Como você vê a questão do corpo – pensando o corpo sobretudo em relação àexistência mesmo, à condição do ser, e ao amor?

B: Tenho a sensação de que a relação amorosa só pode acontecer pelo e com o corpo. Eu agarro muito todos aqueles que amo. Fico me controlando para não ficar pegajoso.

Para mim, nenhuma ligação espiritual se dá sem o contato físico. Em inglês, eu adoro o termo body and soul, parece uma coisa só, uma palavra só. Vi outro dia o filme Lion, o menino indiano se perde com cinco anos da mãe e é adotado por uma família australiana; depois de 25 anos, ele volta à sua cidade e reencontra a mãe na rua vindo de um cortejo. Ele pega a mãe, beija, olha, abraça, faz carinho, pega a cabeça da mãe entre as mãos, beija muito. Fiquei pensando nisso. Sem o corpo, essa história de encontro de almas não cola.

 

P: Você sempre fala do seu interesse no mito do andrógino. Por que esse tema teinteressa?

B: Me interessa porque, como eu disse, desde que me casei e passei a conviver diariamente com uma mulher, passei a pensar muito na diferença entre homens e mulheres. Eu mudei bastante a partir dessa experiência. Como diz Rilke, para uma pessoa que soube nutrir sua solidão e estar bem sozinha no mundo, quando encontra alguém com quem por escolha própria quer ficar junto, um mundo novo é criado em nós mesmos a partir da outra pessoa. Eu tive essa sensação e depois descobri essa coisa do Rilke. Achei impressionante. Me tornei mais eu por causa de outra pessoa. Ou seja, até certo ponto, abrindo mão de coisas que eu fazia ou de um jeito que eu era antes, só que por escolha própria (ou por amor), acaba sendo uma ação também libertadora e de aceitação da outra pessoa. Foi aí que percebi uma coisa que descobri a resposta recentemente: percebi que a partir da vida a dois eu tinha passado a ser eu sozinho num modo religioso, no sentido de não estar mais ao sabor somente das minhas vontades, mas de ter que considerar uma outra pessoa, que por mais próxima que seja de você, sempre será outra pessoa, insondável. Então, essa obrigação voluntária que é a relação amorosa se torna um modo de viver religioso a partir da célula mínima do casal. Eu não tenho, ninguém tem, como dar amor a todas as pessoas do mundo nesse nível. Por mais que tenhamos compaixão e um sentimento de fraternidade pela humanidade, é um sentimento impessoal, não conhecemos essas pessoas. O casamento me revelou isso, como se eu estivesse fazendo a minha parte, porque estou fazendo por alguém. E daí a razão para que cada pessoa ache o seu par ou os seus amores, a quem escolherão entregar parte da sua vida.

Recentemente li um texto do Agamben e ele escreve a minha resposta, ele diz que, quando amamos alguém, como que declaramos nossa fé na espécie humana. Então,  omito do andrógino me interessa por causa disso. No início, diz o discurso, havia os andróginos, ao mesmo tempo homens e mulheres, de duas cabeças, quatro braços e pernas etc. Mas como castigo, porque quiseram desafiar os deuses, Zeus os cortou em dois e a partir daí viveram sempre a buscar a parte perdida, “as metades da laranja” (risos). No início, antes da criação, tudo é um todo indistinto, em que os opostos estão conciliados, uma vez da criação acontece a diferenciação. É também assim, a seu modo, na cena da queda de Adão e Eva – também foram desobedientes, graças a deus.

A relação com os mitos, pra mim, é essa, eles explicam um sentimento que sempre tive dessa nostalgia da unidade primeira.

 

P: Você regrava uma canção de Caetano Veloso, Tem que ser você, do Outras Palavras, e que é uma letra que traz uma espécie de maturidade de um homem. Uma certeza, uma escolha consciente, que é a escolha de poder escolher, que talvez sacrifique o “sofrimento” (assim, entre aspas) do desejo que expande/explode para todos os lados. E nessa canção Deus também aparece.

B: Deus está em tudo (risos). Caetano canta essa canção com voz bem grave, tipo machão. Eu, como tinha percebido essa confusão de homem cantando no eu-lírico feminino que já estava em várias músicas do disco, decidi cantá-la no falsete, depois dobrei uma oitava acima para ficar ainda mais ambíguo. E muitas pessoas dizem que minha voz é feminina. Na verdade, ela fica mais num registro entre um e outro, nem Ney, nem Tim Maia, um registro andrógino.

 

P: Fala um pouco dos seus parceiros, o Exército de bebês. Nesse disco de novo você grava outra música do Luís Capucho e tem uma parceria com o Pedro Carneiro, com quem você já se apresentou duas vezes com o show Três Vocês.

B: Eu gravei o meu disco anterior, Babies, com o Exército de Bebês. Eu sou fã dos meninos. Nos damos muito bem musicalmente, o som deles é o que eu curto. Além disso, são educados, gentis e músicos super talentosos e sérios. Assim, estou bem amparado (risos). E o que aconteceu foi que mal a gente fez o show de lançamento do Babies no Sesc Copacabana, uma semana depois já começamos a ensaiar as canções pra gravação do Corpos, porque o edital dava um prazo pra gente cumprir.

O Capucho é uma grande influência recente. Me foi apresentado – a música dele – pelo nosso amigo Marcos Lacerda e depois o convidei para participar do meu show no Teatro Café Pequeno. Ficamos muito próximos. Estamos fazendo sempre alguma coisa juntos. Eu tenho vontade de gravar quase todas as músicas dele. Eu regravei agora Eu quero ser sua mãe, deslumbrante. Só tenho a dizer que é tudo lindo, é o compositor contemporâneo mais foda pra mim. Eu o apresentei ao Pedro, que teve essa mesma impressão forte que eu e eles se tornaram amigos também. Agora fazemos esse show juntos, o Três vocês, que foi pensado pela Isabela Bosi. O Pedro também gravou e co-produziu o Babies. Acho ele um puta compositor, já achava antes de conhecê-lo pessoalmente, é uma pessoa com quem me sinto bem e quero ter sempre perto de mim. Fizemos essa primeira parceria, que se chama Obs., eu escrevi a letra. Disse a ele o que estava pensando com aquilo tudo e ele musicou fazendo algumas alterações na letra para caber melhor na ideia musical. E, pensando agora, ela conversa com Eu quero ser sua mãe, do Capucho.

 

P: Uma música do Djavan, qual?

B: Doidice.

Compartilhe